Melhorias logísticas: a espinha dorsal do comércio angolano

Inglês

A procura por petróleo e gás está a aumentar rapidamente, em grande parte devido a perturbações no aprovisionamento nos mercados internacionais devido ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Entretanto, a procura doméstica em África também continua a aumentar à medida que a população em geral e as economias crescem. Angola, como o segundo maior produtor de petróleo na África Subsaariana, produzindo aproximadamente 1,1 milhões de barris de petróleo em 2021, irá beneficiar deste aumento da procura regional e internacional. No entanto, para capitalizar nos aumentos da procura e melhorar as exportações intra e inter-africanas, são necessárias melhorias nos sectores da logística e das infra-estruturas.

Representando todos os aspectos da cadeia de abastecimento angolana, a indústria logística não é apenas uma indústria vital, mas uma indústria que permite a outros sectores crescerem, particularmente em países ricos em recursos, como Angola. Embora os recursos do país ofereçam o potencial de responder à procura nacional e internacional, sem melhorias logísticas e infraestruturas adequadas em todo o setor de energia, esse potencial permanecerá inexplorado. Consequentemente, o governo deu prioridade à melhoria logística nos portos, redes de transporte e procedimentos internos do país.

Revitalização da Infraestrutura Portuária

Estrategicamente localizados, os cinco portos marítimos operacionais de Angola – nomeadamente, os portos de Luanda, Cabinda, Lobito, Soyo e Namibe – servem como facilitadores do comércio entre Angola e o resto do mundo, proporcionando uma rede de transporte marítimo estrutural e viável para a crescente indústria energética do país. No entanto, as constantes pressões sobre os portos internacionais, como o Porto de Luanda, funcionam como barreiras ao comércio, com atrasos operacionais e interrupções processuais que restringem o progresso. Em consonância com o Plano Nacional de Desenvolvimento 2018-2022 do país, o governo está a procurar melhorar as infra-estruturas portuárias, de modo a posicionar Angola como uma base comercial internacional e regional competitiva e preferível.

Particularmente, planos estão em andamento para o desenvolvimento de um sexto porto marítimo internacional, o Porto da Barra do Dande, localizado a 50 km a norte da capital, Luanda. O porto de águas profundas de US $ 1,5 mil milhões compreenderá 29 tanques de armazenamento, terminais para materiais sólidos e líquidos, um terminal de contentores, um terminal multiusos e uma zona de apoio à actividade petrolífera. Paras além disto, com o objetivo de desenvolver e integrar ainda mais o setor de comércio e infraestrutura do país, a empresa de linhas de fornecimento global DP World vai investir US$190 milhões para transformar o Porto de Luanda num centro marítimo regional. Ao dar prioridade à expansão portuária existente e à construção de novos portos, Angola está a melhorar a logística e o comércio relacionados com o sector da energia.

Criação de corredores viáveis de transporte intra-africanos

Embora o desenvolvimento de capacidade de logística marítima continue a ser um tema central para muitos países focados no comércio em África, o papel que as redes de transporte intra-africanas desempenham continua a ser essencial para impulsionar o comércio e a conectividade. África ainda depende predominantemente de infra-estruturas como estradas e caminhos-de-ferro dentro das suas redes comerciais e, portanto, a relevância e importância destas indústrias continua a prevalecer no sector energético de África em 2022 e nos anos que se avizinham. Para Angola, um país com redes fundamentais já estabelecidas com economias emergentes com populações em crescimento, como a República Democrática do Congo (RDC), o Congo e a Zâmbia, o foco foi colocado na melhoria dos transportes e da logística rodoviária para fortalecer as exportações e o comércio de energia.

Neste sentido, o governo anunciou planos para revitalizar as redes rodoviárias existentes e melhorar a interconectividade em Angola e na sub-região. Em 2019, o governo lançou um plano de modernização rodoviária que compreende a melhoria e ampliação de 8.200 km das redes rodoviárias de Angola, bem como a construção de ligações adicionais ao longo de um período de cinco anos. As atualizações não só melhorarão a conectividade em Angola, mas também melhorarão as ligações entre o país os mercados da região. Além disso, em março de 2022, o Grupo de Engenharia Civil China Tiesiju concluiu a construção de uma estrada de 76 km que liga Quitexe a Ambuila, expandindo o acesso rodoviário para a comunidade de Angola. Além disso, em novembro de 2021, o governo angolano anunciou uma meta ambiciosa de investir mais de $445,5 milhões na construção de 21 centros logísticos até 2038. Como um país fortemente dependente do transporte rodoviário, esses centros visam reduzir os desafios de transporte, oferecendo centros logísticos comerciais diversos e interconectados em todo o país. À medida que a procura africana de produtos angolanos aumenta – particularmente em países como a RDC, a República do Congo e a Zâmbia – estes centros revelar-se-ão críticos.

Enquanto isso, outro sistema de transporte crítico em Angola é o ferroviário, permitindo a interconectividade dentro do país e entre os estados regionais. De acordo com a International Trade Administration, a expansão da capacidade de transporte ferroviário de Angola é uma alta prioridade dos planos de desenvolvimento do governo angolano. Com o financiamento sendo fornecido pela China, o governo está a acelerar a melhoria e o desenvolvimento das ferrovias do país. Atualmente, o governo opera três linhas ferroviárias – a linha de 425 km de Luanda, a linha de 1.344 km de Benguela ou Lobito e a linha de 857 km de Moçamedes. No entanto, estão em curso planos para expandir essas redes. Em 2021, o governo especificou US$90,2 milhões para o setor ferroviário. Redes como a linha de Benguela – que fornece uma rede de distribuição chave entre o Porto do Lobito, o resto do país e os destinos regionais, como a RDC e a Zâmbia – são fundamentais para o desenvolvimento económico de Angola. A rota representa a linha de exportação mais rápida para os países vizinhos sem acesso ao mar, bem como a porta de entrada para a África Austral. Com o governo a preparar-se para a melhoria dos caminhos-de-ferro, bem como para melhorias no que respeita aos sistemas de train-to-ship, Angola está prestes a tornar-se um centro de comércio regional.

Melhorar os procedimentos e maximizar a eficiência

Por último, o reforço dos procedimentos internos e dos mecanismos comerciais continua a ser crucial para melhorar o sector logístico de Angola. O país conseguiu estabelecer um sistema aduaneiro moderno e bem organizado – utilizando tecnologia como o Sistema Automatizado de Dados Aduaneiros da CNUCED, um sistema integrado de gestão aduaneira para o comércio internacional e operações de transporte -, reconhecido como a espinha dorsal do comércio angolano. Apesar do sucesso deste sistema, o processo de importação e exportação de mercadorias em Angola continua a ser moroso, com a burocracia a restringir a produtividade. Assim, para melhorar a logística e reforçar o comércio de energia angolano, são necessárias medidas urgentes para estabelecer procedimentos comerciais simplificados e eficientes no que respeita às importações e exportações. As reformas regulamentares, as políticas orientadas para o mercado e os sistemas reestruturados revelar-se-ão altamente eficazes neste contexto.

Além disso, com a implementação da Zona de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA) em Janeiro de 2021, países como Angola estão melhor posicionados para melhorar as redes comerciais regionais e internacionais. A AfCFTA criou a oportunidade para processos comerciais simplificados, tarifas reduzidas e a simplificação dos procedimentos relativos à circulação de pessoas, bens e serviços. Angola, em particular, como uma das maiores economias de África, deverá beneficiar significativamente da implementação do acordo. Embora as exportações internacionais permaneçam no topo da agenda, a procura africana de produtos energéticos está a aumentar rapidamente. Ao aumentar o comércio de produtos petrolíferos a nível regional, tirando partido da AfCFTA para o fazer, Angola pode melhorar a segurança energética africana, reforçando ao mesmo tempo as suas próprias exportações.

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email

Other Reads

Verner Ayukegba

Verner Ayukegba

Verner Ayukegba is a Senior Vice-President of the African Energy Chamber.

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2022 Energy Capital & Power. Privacy Policy · Terms of Use