fbpx

Desinvestir para Investir: A Sonangol enfrenta as dificuldades de financiamento com soluções alternativas

Ricardo Van-Deste, CEO da unidade de Exploração e Produção da Sonangol.

Trouvez la version anglaise ici

O terceiro dia de debates, mesas redondas e apresentações da Semana da Energia Africana começou com uma sessão dedicada à companhia petrolífera nacional de Angola. A animada sessão cobriu as ambições de produção de petróleo da empresa, centrando-se na vontade da empresa em aumentar a percentagem da produção de petróleo operada em Angola de 2% para 10% nos próximos anos; nos planos de redução da sua pegada de carbono, desde a plantação de mangais ao investimento em soluções de energia renovável; e, finalmente, na questão fundamental para o petróleo e gás na África no mundo de hoje, que é o financiamento.

“Há muita gente a dizer que o nosso petróleo vai acabar. Penso que provavelmente ficaremos sem dinheiro muito antes de ficarmos sem petróleo,” disse Ricardo Van-Deste, CEO da unidade de Exploração e Produção da Sonangol.

Se a luta para atrair investimentos estrangeiros para a indústria do petróleo sempre foi uma realidade em África, com muitos produtores de petróleo a dependerem quase exclusivamente de empresas e experiência estrangeiras para explorar os seus recursos, a situação piorou bastante nos últimos anos, à medida que vários países e instituições financeiras começaram a proibir investimentos em projetos relacionados com os hidrocarbonetos devido às suas implicações ambientais.

À medida que a narrativa da transição energética continua a progredir a velocidades variáveis, é provável que a situação se agrave para os produtores de petróleo e gás do continente, e não menos para a Sonangol. Como Van-Deste sugeriu, “pode chegar o dia em que os bancos deixam simplesmente de nos dar mais dinheiro.

Em resposta a essa ameaça iminente e no âmbito do seu programa de regeneração, a Sonangol está a encontrar soluções alternativas para angariar capital de modo a expandir as suas operações. Se começou por alienar as suas várias propriedades não essenciais, que a certa altura chegaram a incluir agências de viagens, hotéis e serviços de catering, entre muitos outros ativos, tem-se agora concentrado noutro tipo de ativos.

“Identificámos 8 blocos que incluiremos na nossa estratégia de desinvestir para investir, onde temos blocos de exploração e ativos de produção. Desta forma, as empresas interessadas, com perfis diversos, podem entrar no mercado sem que tenham de passar por um concurso nacional,” acrescentou Van-Deste.

Estes 8 blocos foram selecionados por terem margens de rentabilidade mais baixas ou custos de desenvolvimento mais elevados e a sua venda proporcionará dinheiro em caixa para que a Sonangol possa financiar outros investimentos nos seus ativos mais rentáveis.

Esta gestão de portefólio é fundamental para dar folga à empresa em relação às suas obrigações financeiras.

“Precisamos de diversificar a forma como obtemos dinheiro. Precisamos de esperar até ao final do ano para avaliar o que podemos obter do nosso programa de desinvestimento e avaliar que outros meios de financiamento podemos encontrar,” acrescentou.

Esses outros meios de financiamento provavelmente significarão a há muito anunciada IPO (inicial public offering) da NOC. Não é segredo que a liderança política angolana e o Conselho de Administração da Sonangol têm sido a favor da colocação de pelo menos parte da empresa na bolsa, seja em Luanda, Londres ou Nova Iorque, mas a data para que isso aconteça permanece indefinida. Sebastião Gaspar Martins, Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, anunciou em setembro, em Luanda, que a empresa pretendia «acelerar» o lançamento da sua IPO, mas não se sabe ao certo o que isso significa.

Contudo, uma coisa parece certa: o financiamento de projetos de petróleo e gás em África só se tornará mais difícil à medida que a transição energética progrida, e empresas como a Sonangol terão de ser criativas para permanecer solventes e continuar a explorar petróleo, sendo que, por mais que o mundo esteja a aquecer, continua a consumir 100 milhões de barris de petróleo não refinado todos os dias.

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email
Energy Capital & Power

Energy Capital & Power

Energy Capital & Power is the African continent’s leading investment platform for the energy sector. Through a series of events, online content and investment reports, we unite the entire energy value chain – from oil and gas exploration to renewable power – and facilitate global and intra-African investment and collaboration.

Subscribe to our newsletter

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2021 Energy Capital & Power. Privacy Policy · Terms of Use