fbpx

A Indústria Mineira da Mauritânia: Um Pilar da Economia Nacional

Trouvez la version anglaise ici

O setor mineiro é um componente fulcral da economia mauritana e é um dos principais produtores de minério de ferro, assim como de cobre, ouro e prata. A Iniciativa de Transparência nas Indústrias Extrativas (ITIE) observa que a mineração contribui para 59% das exportações, para 9,6% do PIB e para 10,4% da receita do governo mauritano. A Mauritânia é, na realidade, um dos primeiros países da África francófona a implementar a ITIE. Depois de uma década desde a sua implementação, a ITIE da Mauritânia estabeleceu-se como um dos instrumentos centrais do país para apoiar as reformas na transparência fiscal e na administração das indústrias extrativas.

Apesar dos desafios colocados à economia do país pela pandemia da COVID-19, que afetou seriamente as indústrias não-extrativas, como a dos transportes, comércio e o setor pesqueiro, a produção do setor mineiro aumentou 2,2% no primeiro semestre de 2021, resultado da procura global elevada por minério de ferro e ouro e do investimento contínuo na capacidade extrativa.

Diversificação e Acréscimo do Valor Local

Uma grande parte da atividade mineira tem-se concentrado principalmente na extração de ferro e outros minerais metálicos, como o ouro. Isto deixou a economia vulnerável a variações grandes nos preços globais dos produtos minerais. Outro desafio igualmente importante é o facto de grande parte da produção mineral da Mauritânia ser exportada, com demasiada frequência, diretamente para o estrangeiro e não ser efetivamente processada no país, impedindo assim um acréscimo maior do valor local e o maior apoio nos objetivos de desenvolvimento económico e de redução da pobreza a longo prazo da Mauritânia.

Para abordar estes problemas, o Governo da Mauritânia e os parceiros internacionais de desenvolvimento, como o Ministério Federal para a Cooperação Económica e Desenvolvimento da Alemanha, estão a procurar um plano para promover uma maior diversificação do setor mineiro e estabelecer cadeias de valor na Mauritânia. Isto está a ser feito através do maior foco em matérias-primas não metálicas, como o calcário ou vários tipos de argila para materiais de construção, fosfatos e minerais industriais.

Um dos principais agentes do setor mineiro da Mauritânia é a Empresa Nacional Industrial e Mineira (SNIM). Atualmente, a SNIM é a segunda maior produtora africana de minério de ferro e uma contribuidora importante para a economia da Mauritânia. A maior parte do minério de ferro produzido pela SNIM é enviada para o Porto de Nouadhibou, o que permite à empresa transportar o seu minério de ferro. No entanto, um dos desafios é a profundidade atualmente disponível no canal de acesso, que limita a dimensão dos navios que podem atracar no terminal de minério. Apenas 6% da frota mundial de navios disponíveis pode atracar no terminal atual, o que faz com que os custos aumentem devido à disponibilidade limitada.

Para mitigar este desafio, o Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento, em parceria com o Banco Europeu de Investimento (BEI), concluiu um financiamento de 50 milhões de dólares e 50 milhões de euros, respetivamente, durante 12 anos com a SNIM, para apoiar o aumento da capacidade das instalações portuárias da SNIM em Nouadhibou, a capital económica da Mauritânia. O projeto inclui o aprofundamento e alargamento dos canais de acesso ao terminal mineral da SNIM ao longo de 25 km, com o objetivo de atingir as profundidades necessárias para os navios de 230.000 toneladas. Ao permitir que navios maiores atraquem em Nouadhibou, a SNIM irá maximizar a eficiência da sua cadeia de transporte, reduzindo custos, tornando-se mais rentável e também mais competitiva nos mercados internacionais, especialmente para compensar as possíveis variações nos preços globais do minério de ferro. 

Investidores Internacionais

Além da SNIM, campeã local, existem várias grandes empresas mineiras internacionais com operações substanciais na Mauritânia. Uma dessas empresas é a First Quantum Minerals Ltd., uma empresa mineira e metalúrgica em crescimento, que se dedica à exploração mineral, desenvolvimento e mineração em África. As ações da Quantum estão cotadas na Bolsa de Valores de Toronto no Canadá, na Bolsa de Londres no Reino Unido e a empresa pertence ao índice S&P/TSX 60. Na Mauritânia, a First Quantum opera a mina de ouro e cobre de Guelb Moghrein. A jazida de Guelb Moghrein está localizada 250 quilómetros a nordeste da capital, Nouakchott, perto da cidade de Akjoujt. A First Quantum produz cátodo de cobre classe A, denominado pela LME, concentrado de cobre e ouro, deste projeto.

Outro agente internacional importante na indústria de mineração da Mauritânia é a gigante de mineração canadiana Kinross, que tem uma jazida de ouro de classe mundial – a mina de ouro Tasiast – uma das maiores em África, que está localizada 300 km a norte da capital. Em 2019, a Kinross anunciou o compromisso de uma ronda de uma angariação de fundos de $300 milhões e assinalou que a mesma demonstra a vontade da empresa em permanecer na Mauritânia a longo prazo. A mina Tasiat exigiu a construção de infraestruturas muito pesadas e a construção de uma cidade mineira no deserto. Os primeiros anos foram, portanto, dedicados à terraplenagem e à preparação das operações. Mas hoje, a mina Tasiat tem uma das maiores refinarias de ouro de África e um triturador de grande capacidade. A empresa acredita que uma meta de produção de 20.000 toneladas está ao seu alcance. 

Em resposta à crescente demanda por energia renovável e ao crescente interesse das partes interessadas internacionais em investir, desenvolver e ter sucesso na África, a Energy Capital & Power realizará a conferência e exposição MSGBC Oil, Gas & Power 2021 em 2-3 de dezembro de 2021. Focada no aprimoramento de parcerias regionais, estimulando o investimento e o desenvolvimento nos setores de petróleo, gás e energia, a conferência unirá as partes interessadas internacionais regionais com oportunidades africanas, servindo como uma plataforma orientada para o crescimento para o setor de energia da África. 

Saiba mais sobre a conferência aqui: 

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email
Miguel Artacho

Miguel Artacho

Miguel is a Field Editor at ECP. Miguel is a forward-thinking communications professional currently specializing in the energy sector. Adept at developing engagement strategies and building relationships. He is known for working ethically and effectively with internal and external stakeholders to further the business goals.

Subscribe to our newsletter

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2021 Energy Capital & Power. Privacy Policy · Terms of Use